Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘5 minutos’

Droga, vermelho. Meu encontro estava marcado para as três. Já eram três e quinze e, aparentemente, todos os semáforos da cidade resolveram me atrasar ainda mais. Foi quando eu o vi. Ele era moreno, alto, tão jovem quanto eu. Seria bonito se não estivesse tão mal vestido. O rapaz, os sacos plásticos no chão, a livraria ao fundo e a senhora obesa que o observa formavam um lamentável quadro urbano. Minha tristeza foi física quando notei a urgência com que o rapaz arrancava o que podia da sacola de lixo e comia vorazmente. O grito horrorizado de Bandeira ecoou em meus pensamentos: “O bicho, meu Deus, era um homem!”. O bicho homem transformado em homem bicho. Intimamente, critiquei a atitude da mulher que o observava, estática. Julguei que ela deveria fazer algo: ajudar, parar de olhar, não sei ao certo. Mas deveria.. alguém deveria.. Verde, enfim. Graças, eu mal podia esperar, estava faminta.

Anúncios

Read Full Post »

paparazziExposição corporal máxima, polêmicas sobre os mais variados temas, escândalos envolvendo drogas e prostituição. Independente do motivo, o importante é ser o centro das atenções e dos flashes: essa é a lei que rege o comportamento das pessoas contagiadas pela “epidemia” da fama instantânea.

Aqueles que almejam o conhecimento público apenas para possuir o status de “celebridade” (como se o título fosse um mérito – que não é) costumam, muitas vezes, tentar alcançá-lo a qualquer custo.
Esse “qualquer custo” representa uma inversão de valores: a fama deixa de ser uma consequência de um trabalho realizado e passa a ser visto como um mérito. Mérito? De fazer escândalos sexuais, de expor a vida em um reality show, de se nomear melancia, morango ou abacaxi e exibir o corpo?

Para quem pagaria qualquer preço para ser famoso, atingir o “sucesso” é ser reconhecido pelos demais como diferente, digno de atenção, do estrelato, mesmo que não trabalhe para tal atenção. A epidemia da fama instantânea revela que as pessoas estão cada vez mais carentes e inseguras.

A mídia é um estimulante para atos moralmente questionáveis, visto que notícias do gênero “Fulano foi visto bêbado em festa” atingem enormes repercussões, que agem como catalisadoras de atitudes chamativas e impulsiona a supracitada epidemia, que só existe, porque há quem aplauda essas atitudes.

A vontade de receber atenção de uns, aliada à atenção dada por outros, alimenta a inversão de valores contemporânea, de acordo com a qual músicas infantis pregam: “Eu quero ser famosa, ser uma grande artista” e ainda sugerem: “Eu vou rebolar, vou rebolar “. Eu, hein?!

Já leu a coluna de fofocas hoje?

Read Full Post »